• Visitas: 285

16 Jan | 19h00 | Auditório Vianna da Motta - ESML

 “ A tradição francesa”

O contributo dos compositores franceses na promoção do Duplo Quinteto de Sopros justifica largamente esta singela homenagem que a Camerata de Sopros Silva Dioníso realiza através deste programa.

 

Nos finais do Século XIX Paul Tafanel cria a Société de Musique de Chambre pour Instruments à Vent (1879) um dos agrupamentos responsável pela encomenda de várias obras, entre as quais se destaca a famosa “Petite Symphonie” de Charles Gounod. Na mesma época Georges Barrère cria a Société Moderne pour Instruments à Vent, da qual sairão obras como Lied et Scherzo, op.54 (1910) de F. Schmitt. Em 1905 Barrère deixa Paris e assume a posição de 1º Flauta na Orquestra de Nova Iorque. Junto com outros membros da orquestra funda o Barrère Ensemble, com uma constituição uma pouco mais alargada que o da Société Moderne, apresentando a 7 de Março de 1911 a “Suite Persane “ de Caplet.

No programa de hoje temos o privilégio de fazer a estreia da obra “Dialogues” de Jacques Veyrier, o qual nos dá a honra da sua presença. A obra é dedicada à Camerata Silva Dionísio e vem certamente enriquecer o vasto legado dos compositores franceses.

 PROGRAMA

Ravel (1875-1937)/ Baker
Pavane pour une Infante Défunte
Direcção – Luís Afonso

A. Caplet (1878-1925)
Suite Persane
Direcção – Luís Afonso (I), João Malha (II, III)

Jean Françaix (1912 – 1997)
9 Pièces Caractéristiques
Direcção – Luís Balão

Jacques Veyrier (1928)
Dialogues*
Direcção – Alberto Roque
*Estreia absoluta